JOGO MENTAL PODE SER DIVISOR DE ÁGUAS NO POKER

Entrevista com Danilo Chencinski

Por Guerrinha

O ex-publicitário Danilo Chencinski, 35, cita uma passagem da autobiografia do tenista Gustavo Kuerten, o Guga, para definir a importância do jogo mental nos esportes: “Depois de certo patamar no ranking, as habilidades se equivalem e, na hora do vamos ver, a concentração e o sangue frio decidem mais do que a técnica.” No poker é igual, completa.

Há cerca de dez anos, Danilo usa o DeROSE Method para gerenciar melhor as emoções, o nível de energia e a concentração e encontrar um estilo de vida mais saudável. Ele não só usa a metodologia para si como também a ensina aos seus alunos, que frequentam seus cursos na Vila Mariana.

Neste sábado (24), Danilo ensinará algumas de suas técnicas num workshop gratuito no Guerra Prime Club. A casa de poker em SP abre suas portas às 16h para uma palestra sobre os 7 tilts mais comuns e como lidar com eles. 

Na entrevista a seguir, o mindcoach explica um pouco de seu trabalho e conta como certas técnicas podem tornar os jogadores mais vitoriosos.

*** 

Você se formou em publicidade, mas largou essa profissão para ensinar jogadores de poker a controlar sua mente. Por que escolheu esse novo caminho?

Escolhi a publicidade quando eu era muito novo, tinha apenas 14 anos e me mantive com essa ideia fixa até sair da faculdade. Em 2006, quando entrei no mercado de trabalho e conheci a realidade da profissão, me dei conta de que o estilo de vida do publicitário não era aquele que eu queria para mim. Assim, 9 anos depois de começar a investir na carreira de publicitário, decidi mudar de profissão. 

Foi na mesma época que me tornei aluno do DeROSEMethod, que é uma metodologia de qualidade de vida, autoconhecimento e mindfulness. Esse estilo de vida que conheci estava muito mais alinhado com os meus valores e me fez perceber o quanto o autoconhecimento e o desenvolvimento pessoal foram importantes para eu fazer melhores escolhas e ter uma vida muito melhor, ser mais feliz e, consequentemente, fazer os outros mais felizes. Com esse insight, decidi que tornaria o meu propósito contribuir para que as pessoas tivessem esses mesmos lampejos de consciência e transformassem suas vidas para melhor. 

O poker entrou na minha vida alguns anos depois, quando os jogadores profissionais começaram a procurar a minha escola, o DeROSE Method Vila Mariana(www.metododerosevilamariana.com.br), em busca de gerenciar melhor as emoções, o nível de energia, a concentração e encontrar um estilo de vida mais saudável dentro do poker, que pode ser bem prejudicial caso as pessoas não cuidem do seu corpo e mente. 

O que define um mind coach?

É difícil definir com precisão. Eu me vejo para os meus alunos como um treinador que trabalha todos os aspectos emocionais e mentais que influenciam no desempenho dojogador. Mas não sou terapeuta. O meu trabalho não é ajudar as pessoas a lidar com dificuldades emocionais devidos a traumas do passado. [O que fazemos] é olharpara o futuro e construir juntos as melhores condições para que o aluno tenha sua melhor performance nas mesas e na vida. 

Isso envolve, muitas vezes, que eu aponte algumas autossabotagens, mindsets destrutivos, comportamentos e hábitos contraproducentes, coisas que passam despercebidas para cada um quando não tem alguém com o olho treinado para percebê-las.

Vou dar um exemplo. Recentemente, identifiquei um bloqueio mental em um aluno. Ele acreditava que ter consistência é o mais importante e que ter um big hit (um resultado expressivo) poderia fazer com que ele se tornasse um jogador preguiçoso e arrogante. Por muitos anos, ele foi um jogador consistente e disciplinado, mas estava ficando frustrado por nunca chegar ao big hit. 

No último SCOOP tivemos esse insight e reprogramamos a mente dele para aceitar que já é um jogador maduro e consistente e que um big hit não iria mudar isso. Alguns dias depois, ele teve o maior resultado da carreira,ganhando um torneio que pagou 71k. Um mês depois, ganhou um Sunday Million por 110k. Aparentemente desbloqueou aquela trava mental. Poderia ser apenas coincidência, se não houvesse com vários outros alunos exemplos bem parecidos.

Qual a importância do fator mental no poker? E como se compara com o peso que o mesmo aspecto tem em outros esportes?

O jogo mental do poker tem uma semelhança muito grande com o tênis, o golf e outros esportes individuais. Pra responder a essa pergunta, vou citar o que o Guga escreveu em sua autobiografia: “Depois de certo patamar no ranking, as habilidades se equivalem e, na hora do vamos ver, a concentração e o sangue frio decidem mais do que a técnica.” No poker é igual.

Quais são as autossabotagens e hábitos contraproducentes mais frequentes num jogador de poker?

Nossa, existem tantos, varia de pessoa pra pessoa. Talvez o pior hábito seja o de se apegar muito ao resultado de uma mão e de um torneio. É aquela neurose de querer controlar o incontrolável, como a ação dos adversários, as cartas que vão bater, o erro que cometeu etc.

Sobre autossabotagens, o mais comum é quando o jogador fala contra si mesmo, por exemplo, afirmações como: Eu sempre fico ansioso nas retas; Quer ver que eu vou bolar de novo? Estou numa fase ruim…

E outras coisas do tipo. Sempre que você faz uma afirmação desse tipo, acaba programando sua mente para confirmar o conteúdo das suas palavras.

Todo jogador de poker lida com o tilt no jogo. Existe alguma fórmula para evitar o tilt, ou pelo menos para minimizar as perdas?

Com certeza. E vou ensinar no workshop no Guerra algumas dessas fórmulas. Um exemplo é o que citei acima, sobre o apego ao resultado. Nós sabemos que existe a variância no poker e, por melhor que você seja, às vezes perde para um jogador ruim. O que importa é ter feito a melhor jogada e sempre aprender com os erros. Assim, você nunca perde, pois sempre aprende algo. 

Os jogadores costumam entrar em batalhas mentais entre si e isso muitas vezes leva a decisões equivocadas. O mindcoach também pode ajudar nisso?

Um dos 7 tipos de tilt mais comuns que vou abordar no Guerra é o tilt da vingança, quando você começa a atacar outro jogador só porque ele levou a melhor contra você em algum momento. Raramente isso traz bons resultados. 

Quando você reprograma o seu mindset, consegue se programar para lidar melhor com essas situações, antecipando-as e tendo uma linha de raciocínio alternativa quando elas surgirem. Além disso, algumas técnicas respiratórias do DeROSE Method que ensino ajudam o jogador a lidar melhor com as emoções e a perceber quando seu raciocínio estiver envenenado pelo sentimento de vingança. 

O seu trabalho sempre demanda um acompanhamento de longo prazo ou é possível um aluno evoluir com poucas sessões?

Muitos progressos são possíveis dentro de pouco tempo, desde que o jogador coloque em prática os exercícios que aprende. O meu aluno Renato Kaneoya teve os melhores resultados da carreira até então dentro do meu programa de mindcoach de 3 meses. Hoje, já estamos há quase 2 anos trabalhando juntos, ele já conseguiu resultados ainda mais expressivos e segue evoluindo. Inclusive, está nesse momento na melhor fase da carreira. O que mostra que, os melhores resultados, vêm no longo prazo.

Dou um treinamento intensivo de 1 mês, que funciona muito bem. Um mais completo de 3 meses e um acompanhamento prolongado por quanto tempo o aluno quiser, pois sempre tem o que melhorar.